A empatia na prevenção do bullying

 

 

Cada vez mais neurocientistas, psicólogos e educadores acreditam que o bullying e outros tipos de violência podem ser realmente reduzidos se a empatia for desenvolvida nas crianças desde o início da infância. Ao longo da última década a investigação na área da empatia - habilidade para nos colocarmos no “lugar” dos outros - sugere que esta é uma das habilidades chave, senão a chave, para todas as mais importantes interações sociais humanas.

 

Tal como a linguagem, o desenvolvimento da empatia pode ser desenvolvida por experiências precoces.

 

"Em vez de se partir do pressuposto de que é necessário vencer o mau comportamento da criança, deve-se focar no desenvolvimento da empatia e da compaixão dessa criança", diz Dacher Keltner, professor de Psicologia da Universidade da Califórnia, Berkeley.

 

Em outras palavras, desde cedo devemos começar a ensinar as crianças como compreender os seus comportamentos e sentimentos. O autoconhecimento é ferramenta básica para a criança ser capaz de compreender os comportamentos e os sentimentos dos outros também. 

 

Por exemplo, quando se lida com uma criança que magoou outra, deve-se ajudá-la a compreender a forma como estava se sentindo no momento em que magoou o outro, segundo Gordon, fundador da Roots of Empathy. O truque é ajudar as crianças a descrever como se sentem, para que da próxima vez que sintam um sentimento perturbador, tenham linguagem para se expressar.

 

Quando as crianças são capazes de compreender os seus próprios sentimentos, elas tornam-se mais capazes de entender que a outra pessoa também foi magoada por ter sido agredida - este "entendimento" é a ignição para a mudança no comportamento.